Circulação

Classe gramatical: substantivo feminino
Separação silábica: circulação 
(latim circulatio-onisórbitacircuito)

Acto ou efeito de circular.
 Movimentação contínua de pessoascoisas ou ideias.

NO FIO DO AZEITE

Nova criação: Carlos Marques (2019)
ALGURES | 2018/2019 

Percurso 2019 


Estreia
21 de Fevereiro de 2019 – Cine Teatro Curvo Semedo
Montemor-o-Novo

22 a 25 de Fevereiro 2019 – Carreia em Montemor-o-Novo
27 de Março a 7 de Abril de 2019 -Teatro Meridional | Carreia em Lisboa
20 de Julho de 2019 –  Teatro Garcia de Resende | Évora
14 de Setembro de 2019 – Teatro da Didascália | Joane

SINOPSE

Um músico está no palco a ensaiar. Toca o telefone e do outro lado é urgente ir buscar a filha Olívia à escola: há greve de professores. Começa a viagem para ir buscar a filha. O céu adquire uma cor vermelha de pôr do sol constante. E de repente tudo parou. Começa uma viagem que o faz regredir ao tempo em que se escondia num imenso olival.

Agora sim, as músicas são novamente urgentes!

CONTEXTO

Há estudos e notícias que afirmam que em Portugal 33% do olival já é intensivo ou superintensivo. A reconversão de oliveiras tradicionais e centenárias para modelos de produção intensiva é mais uma faceta da desmedida sede de lucro. Estas oliveiras têm uma duração média de vida de 10 anos apenas. A história repete-se, aconteceu o mesmo com as culturas cerealíferas no Alentejo. No olival intensivo, abusa-se de fertilizantes e herbicidas para controlar pragas e isso deteriora os solos e a qualidade das águas subterrâneas por longos anos. É criminoso!

 

Por outro lado, os modelos de educação vigentes parecem estagnados na arquitetura da revolução industrial. Esta expandiu um modelo de ensino – massificando a educação – assente numa mão-de-obra qualificada e com o objetivo de formar e capacitar os alunos para áreas específicas ou habilitá-los para um ofício, esquecendo que o ensino tem mais a ver com capacitação do aluno em estabelecer relações críticas entre conceitos e aprendizagens funcionais.

 

O que é que a invasão das pequenas oliveiras tem a ver com a escola? Tudo! Quando a massificação das culturas destrói a cultura e o território não é pensado em perspetiva longínqua, dá-se uma desertificação em duplo sentido. É na escola e na educação ambiental que acontece o motor do pensamento que apela à mudança. Se a Escola fizer o papel de fomentar o respeito pelo ‘outro’ e apelar à curiosidade, pensaremos, então, em conjunto uma alternativa.

 

A estas reflexões que enlaçam os modelos de produção de azeite e as metodologias de ensino, com a narrativa condutora do espetáculo, junta-se ainda o terceiro eixo deste trabalho: o texto inédito de Jorge Palinhos, cuja mãe se chama Olívia, homónima da bebé de Carlos Marques, o que confere uma relação biográfica a este espetáculo.

 

O que tem a escola a ver com um lagar? Ou melhor: quais as semelhanças entre uma azeitona e uma criança?

Carlos Marques, músico e criador, encontra-se em palco para nos questionar sobre os processos de produção e os métodos de ensino. Os métodos de produção intensos, rápidos e eficazes estão virados para o consumo instantâneo. Afinal de contas, agora nascemos e somos formados para as necessidades dos mercados. Será que deveremos ser mais do que meros temperos de um mundo consumista e industrial? Teremos que ser obedientes?

Este é um espetáculo de teatro ou um concerto ou uma aula cantada e divertida sobre a educação.

FICHA ARTÍSTICA

Criação, composição e interpretação: Carlos Marques
Apoio à criação: Susana Cecílio
Texto: Jorge Palinhos
Vídeo de cena: Rodolfo Pimenta
Desenho de luz: Pedro Bilou
Dispositivo cénico: Carlos Marques e Susana Cecílio
Voz off: Ana Marques
Operação técnica: Manuel Abrantes
Carpintaria: José Manecas
Design Gráfico: Susana Malhão
Produção: Alexandra Jesus e Daniel dos Reis Nunes

aalgures@gmail.com
+351 91 77 22 180 / +351 96 24  41 270

producao@alguresalgures.pt
+351 92 66 50 519